Tatuzão da Linha 4 do Rio falta escavar apenas 300 metros

Home / Construção Brasil / Tatuzão da Linha 4 do Rio falta escavar apenas 300 metros

Tatuzão da Linha 4 do Rio falta escavar apenas 300 metros

Tatuzão

Tatuzão operando na Linha 4

Faltando apenas 300 metros, o “tatuzão” da Linha 4 do metrô do Rio está a poucas semanas de concluir os trabalhos de escavação. O equipamento começou a operar em 23 de dezembro de 2013, quando deixou a Estação General Osório, em Ipanema. Incidente na rua Barão da Torre fez com que o equipamento ficasse alguns meses parado. Porém, em março de 2015, o “tatuzão” partiu da Praça Nossa Senhora da Paz (Ipanema) rumo ao Leblon. Cinco meses depois (14/09/15), passava pelo Jardim de Alah (Leblon). No dia 23 de dezembro do ano passado, a máquina passava pela Antero de Quental (Leblon). Nesse exato momento, o “tatuzão” está a 300 metros de encontrar os 14 quilômetros de túneis já escavados entre Barra e a Zona Sul do Rio de Janeiro. Com isso, as obras estão com 83% dos trabalhos concluídos.

Prevista para operar em julho deste ano, a Linha 4 vai transportar mais de 300 mil pessoas por dia. Já são mais de 20 quilômetros de trilhos colocados em todo o trecho, o que equivale a mais da metade da extensão da Linha 4, considerando as vias permanentes – por onde os trens vão passar – nos dois sentidos. Na Barra da Tijuca, as obras civis da ponte estaiada estão concluídas. A instalação dos estais (conjuntos de cabo de aço) foi finalizada em dezembro e a ponte já recebe trilhos no trecho elevado sobre o canal. Em seguida, inicia-se a fase de acabamentos, instalação de cabos elétricos e iluminação cenográfica, assinada pelo artista das luzes Peter Gasper. Este é único trecho onde os trens da Linha 4 poderão ser vistos fora do subterrâneo. Construída sobre o canal da Barra da Tijuca, a ponte ligará os túneis escavados em rocha à Estação Jardim Oceânico. Com 320 metros de comprimento e dois pilares de 72 metros de altura, a ponte tem duas vias, por onde os trens vão passar em direção à Barra da Tijuca e no sentido Zona Sul.

As estações estão em fase de acabamentos, com acessos de passageiros montados, pastilhas decorativas e painéis artísticos instalados, piso de granito e até escadas rolantes e elevadores em testes. São elas: Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, Jardim de Alah e Antero de Quental, no Leblon, São Conrado e Jardim Oceânico, na Barra. Esta última será integrada ao sistema BRT e tem uma arquitetura especial, que privilegia a iluminação natural na área de bilheterias e circulação de passageiros.

A Linha 4 terá 15 novos trens, que já circulam em testes com passageiros nas linhas 1 e 2. Com a Linha 4, será possível ir da Barra a Ipanema em 13 minutos e, da Barra ao Centro, em 34 minutos. O passageiro poderá utilizar todo o sistema metroviário pagando apenas uma passagem.

Com a decisão do Governo do Rio de modificar o projeto da Estação Gávea para ampliar as possibilidades de expansões do metrô, o cronograma desta estação foi modificado. A previsão é de que esteja em operação em 2017.

Sobre a expansão da Estação General Osório, de acordo com a Assessoria de Imprensa do Consórcio responsável pelo projeto, as obras já estão 88% das obras concluídas. Novas plataformas de embarque e desembarque de passageiros estão instaladas e trilhos já são colocados. As três novas plataformas de embarque e desembarque foram instaladas e os 450 metros de túnel em rocha – ligando Ipanema à Lagoa por dentro do maciço do Cantagalo – estão completamente escavados. Dos 1.877 metros de trilhos, faltam ser colocados apenas 280 metros e o novo acesso de passageiros à estação, na Avenida Epitácio Pessoa, que está em construção.

Enquanto isso, tanto o túnel que liga o futuro acesso Lagoa à expansão da General Osório, quanto as salas técnicas já receberam pastilhas nas paredes e piso de granito, trabalho que está sendo finalizado nas novas plataformas. As três esteiras rolantes em cada sentido já foram instaladas. O Acesso Lagoa terá dois elevadores, duas escadas rolantes e duas fixas, para garantir acessibilidade a todos.

As novas plataformas da Estação General Osório ficam a uma distância de 120 metros das já existentes. Para facilitar a circulação dos passageiros, haverá uma escada fixa, cinco rolantes e um elevador ligando as atuais plataformas à área em construção.

Desta forma, o bairro da Lagoa será inserido no sistema metroviário da cidade, fazendo com que trabalhadores, moradores e frequentadores da região tenham acesso direto ao metrô. O novo acesso de passageiros ficará no canteiro central da Avenida Epitácio Pessoa, nas proximidades do Parque do Cantagalo. No local, haverá sinal de trânsito e faixa de pedestres, para facilitar a circulação do público. Após a conclusão das obras, a estação General Osório estará apta a receber também os trens das linhas 2 (Pavuna – Botafogo) e 4 (Barra da Tijuca – Ipanema), além das composições da Linha 1 (Uruguai – Ipanema).

Recent Posts

Start typing and press Enter to search

Premio